Logo
Imprimir esta página

O dia em que Neymar jogou com a minha chuteira

O dia em que Neymar jogou com a minha chuteira AG

O sonho da grande maioria dos jovens brasileiros é ser jogador de futebol. Desde os primeiros anos de vida, aprendemos a amar este esporte e idolatrar os craques de nosso time de coração e da Seleção Brasileira. Jogamos nos campinhos, nas ruas de asfalto ou até mesmo chão batido, na escola e nos imaginamos em um estádio lotado de torcedores gritando o nosso nome, após um lance de efeito ou um gol na decisão de um campeonato.

No início deste mês contamos a história de Mateus Norton, 21 anos, natural de Campo Bom, que já começa a brilhar nos gramados do mundo com o time do Fluminense. Hoje, contaremos a história de Vinicius Fleck, 19 anos, atacante, 1,65 metros, que trilha um caminho muito parecido com o de Mateus, onde os sonhos se assemelham e a determinação se sobressai para que um dia aquele desejo de criança, de ter um estádio todo gritando o seu nome, torne-se realidade.

O SURGIMENTO NO 15

Mais uma vez o Clube 15 de Novembro foi o trampolim para o surgimento de um atleta no futebol. Após jogar muita bola pelas ruas da cidade, o primeiro estádio em que Vinicius Fleck pisou foi o Sady Arnildo Schmidt. Foi lá que ele se aproximou, efetivamente, do caminho do futebol e ficou até 2010, ano em que foi tentar a sorte no Internacional, seu time do coração.

No Beira-Rio ele ficou pouco tempo. Logo retornou ao 15, onde integrou elenco junto com Mateus Norton, até se transferir para o Mundo Novo, de Três Coroas. Lá ele conviveu, recebeu dicas e muitos conselhos de um grande amigo. “Em Três Coroas eu morei com o Roger Lamba. Ele era o meu técnico e sempre foi meu grande incentivador. Me ajudou muito e aprendi muito com ele. É uma pessoa que quero muito bem”, destacou o atleta.

O próximo destino de Vinicius seria o Head Soccer, de São Paulo. No início de 2017 ele foi emprestado ao Paulista de Jundiaí, onde tem contrato até dezembro deste ano e é titular absoluto. Lá, ele competiu no Campeonato Paulista de juniores de 2017 e neste mês de janeiro na Copa São Paulo de Futebol Junior, onde o seu time foi eliminado na primeira fase.

A CHUTEIRA CERTA, NO LUGAR CERTO, NO PÉ CERTO

A carreira de Vinicius no mundo do futebol ainda é muito curta. Mesmo assim, os últimos dias de 2017 reservou um episódio inusitado para o campo-bonense. No dia 24 de dezembro, no jogo beneficente envolvendo os Amigos do Nenê (jogador do Vasco) contra os Amigos do Caio Castro (ator da rede Globo), no estádio Jaime Cintra, em São Paulo, Vinicius foi gandula.
Minutos antes de iniciar a partida, o segurança do evento chegou até os gandulas e questionou. “Alguém tem alguma chuteira número 40, da Nike para emprestar?”. Ao ouvir, Vinicius prontamente ofereceu o seu instrumento de trabalho. Em seguida, o segurança anunciou: “É para o Neymar usar”. Incrédulo, o atacante do Paulista cedeu a sua chuteira para o jogador mais caro do mundo na atualidade.

“Eu ainda não havia usado essa chuteira e depois que ele me devolveu ainda não usei. Quero deixar para usar em jogos decisivos”, disse. Ao final do jogo, Vinicius tentou se aproximar de Neymar, porém uma legião de fãs e profissionais da imprensa impediram o contato com o astro. Ao que tudo indica a chuteira deu sorte ao jogador do Paris Saint Germain, que mesmo chegando atrasado no jogo, anotou quatro gols na partida.

O fato rendeu a Vinicius notoriedade. Emissoras de TV, jornais e rádios cercaram o promissor atleta para saber mais sobre esse dia especial e que ele jamais esquecerá. “Acho que ele (Neymar) nem sabe de quem era a chuteira que jogou. Mas eu jamais esquecerei deste dia”, finaliza.


CONFIRA ESTA MATÉRIA COMPLETA NA EDIÇÃO DE SEXTA-FEIRA, 19 DE JANEIRO DE 2018. PARA ASSINAR, LIGUE: (51) 3597-2822.

Agazeta CB -2016; O Jornal de Campo Bom. Todos os direitos reservados.